domingo, 19 de outubro de 2008

Invenção “sui generis” de um monge e Papa: o zero

Monumento ao Papa Silvestre II, Aurillac, França

Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs




O Ocidente latino apresenta um certo número de sábios que recolheram e propagaram as ciências matemáticas tais como as haviam elaborado os antigos gregos e os hindus, e as aperfeiçoaram os árabes.

Dentre eles foi célebre Gerbert, monge da abadia de Aurillac na França que, depois de ter aprendido em Barcelona com mestres árabes, tornou-se primeiramente professor em Reims, onde ensinou as ciências exatas; depois arcebispo de Reims e de Ravena; e por fim, papa sob o nome de Silvestre II (946–1003).

Ele compôs uma aritmética (regula de abaco computi), um tratado da divisão e uma geometria.

Atribui-se-lhe uma invenção que nos pareceria hoje muito simples e que, entretanto, transformou o estudo dos matemáticos proporcionando-lhes os maiores progressos: o zero.

Esta cifra que a Antigüidade clássica não conhecia, simplificou os cálculos e tornou facílimas as operações aritméticas. No século XI, o emprego do zero era já universal.

(Fonte: Jean Guiraud, “Histoire Partiale, Histoire Vraie”)


Desejaria receber atualizações gratuitas de "Glória da Idade Média" em meu email


CRUZADAS CASTELOS CATEDRAIS HEROIS ORAÇÕES CONTOS CIDADE
AS CRUZADASCASTELOS MEDIEVAISCATEDRAIS MEDIEVAISHERÓIS MEDIEVAISORAÇÕES E MILAGRES MEDIEVAISCONTOS E LENDAS DA ERA MEDIEVALA CIDADE MEDIEVAL

2 comentários:

Beto disse...

que eu saiba o numero zero era bem conhecido dos árabes, muito antes dos monges.

Luis Dufaur disse...

Esclarecimento: O zero apareceu três vezes em diferentes povos e civilizações: 1) na Mesopotâmia no século III a. C.; 2) na China; 3) entre os Maias no I milênio.
Nenhum desses povos, entretanto, o utilizou como número, com exceção dos Maias no calendário.
O uso moderno, como algarismo e como número, apareceu no século V na Índia, sendo adotado pelos árabes.
Por sua vez, o Papa Silvestre II importou os algarismos árabes da Espanha por volta do ano mil.
O uso do zero como número acabou se generalizando na vida corrente no século XII, em conseqüência da intensificação do comércio após as Cruzadas.
O nome “zero” é atribuído ao matemático italiano Leonardo de Pisa, conhecido como Fibonacci (1175-1250). Especialmente importante neste sentido foi seu livro Liber Abaci de 1202. Conferir em http://fr.wikipedia.org/wiki/Fibonacci.
Fonte: Wikipedia: http://fr.wikipedia.org/wiki/0_(nombre)

Postar um comentário

Obrigado pelo comentário! Escreva sempre. Este blog se reserva o direito de moderação dos comentários de acordo com sua idoneidade e teor. Este blog não faz seus necessariamente os comentários e opiniões dos comentaristas. Não serão publicados comentários que contenham linguagem vulgar ou desrespeitosa.