domingo, 24 de janeiro de 2010

A "Gesta Dei per francos"

Dom Guibert (1053‒ 1125), abade beneditino de Nogent-sous-Coucy, compôs a história da I Cruzada (1095-1099) por volta do ano 1007.

Ele ouvira o sermão do Bem-aventurado Papa Urbano II aos cavaleiros reunidos em Clermont-Ferrand, no coração da França:

“Povo dos Francos, povo de além Alpes, povo – como reluz em muitas de vossas ações ‒ eleito e amado por Deus, distinguido entre todas as nações pela posição de vosso país, pela observância da fé católica e pela honra que presta à Santa Igreja! A vós se dirige nosso discurso e nossa exortação!



“De vós mais do que qualquer outro povo Ela exige ajuda, pois vos tem sido concedida por Deus, por sobre todas as estirpes, a glória das armas.

Empreendei, pois este caminho em remissão de vossos pecados, certos da imarcescível glória do reino dos Céus. Quando fores ao ataque dos belicosos inimigos, seja este o grito unânime de todos os soldados de Deus: ‘Deus o quer! Deus o quer!’”

Dom Guibert registrou os extraordinários fatos daquela vitoriosa cruzada num escrito que ele intitulou “Gesta Dei per Francos”, quer dizer “Proezas de Deus por meio dos francos”.

A desproporção de forças humanas e os sensíveis auxílios divinos aos cavaleiros franceses justificaram a escolha.

Por exemplo, na batalha do “Portão de Aço” durante o sítio de Antioquia, um exército turco de 12.000 homens surpreendeu o acampamento cristão. Os defensores em número de 700 enfrentaram o inimigo em campo raso e os perseguiram e massacraram até as portas da cidade.

“Deus lutou por nós, e seus fiéis contra eles ‒ escreveu o conde de Blois, naquele momento chefe da Cruzada ‒. Porque naquele dia, lutando com a força que Deus dá, nós os derrotamos e matamos uma incontável multidão deles – Deus continuamente combatendo por nós”.

Sem intenção de fazer teologia e apenas descrevendo os fatos com a linguagem de um soldado, nobre e cristão, o conde de Blois pintou a essência da “Gesta Dei per Francos”: os francos agiam, mas Deus agia neles e por meio deles.

A feliz expressão “Gesta Dei per Francos”, entretanto, não ficou limitada a história das cruzadas.

Posteriormente, ela passou a ser aplicada de modo mais geral à história da França católica. Pois descreve bem a imagem da história dessa nação desde sua conversão ao catolicismo.

Desejaria receber atualizações instantâneas e gratuitas de "Glória da Idade Média" em meu email


AS CRUZADASCASTELOS MEDIEVAISCATEDRAIS MEDIEVAISHERÓIS MEDIEVAISORAÇÕES E MILAGRES MEDIEVAISCONTOS E LENDAS DA ERA MEDIEVALA CIDADE MEDIEVALJOIAS E SIMBOLOS MEDIEVAIS

Um comentário:

Ana Maria Nunes disse...

OLá, preciso da sua ajuda. Tenho uma comu de livros no orkut e uma pessoa fez uma pergunta:
Homossexualidade na Idade Média
Estou lendo o livro de José Lisboa, intitulado "acompanhamento de vocações homossexuais".
No livro logo nas primeiras páginas traz uma referência no rodapé de um outro livro de autoria de Daniel Borrillo, onde tem a seguinte citação:

"Não podemos esquecer que segundo alguns autores a homossexualidade, inclusive as uniões homossexuais, foi não só tolerada, mas até reconhecida pela Igreja na alta idade média. Cerimônias solenizavam a relação afetiva estável, entre pessoas do mesmo sexo. Pesquisas feitas no Vaticano descobriram mais de cem fórmulas cerimoniais diferentes para abençoar a união de casais do mesmo sexo."

E diz para ver nos livros de Daniel Borrillo: "Casamento homossexual: homenagem da heresia à ortodoxia" e "A sexualidade tem futuro?".
Gente, alguém já leu este livro ou tem alguma informação se é verídica as informações ou apenas especulações?

Sei que vc deve ser muito ocupado, assim que for possível vc poderia, caso vc queira claro, dar uma orientação sobre esse assunto?!
Obrigada, Salve Maria Santíssima!


A comu do orkut é essa:

http://www.orkut.com.br/Main#CommMsgs?cmm=39231047&tid=5431284306769932564&na=4

Postar um comentário

Obrigado pelo comentário! Escreva sempre. Este blog se reserva o direito de moderação dos comentários de acordo com sua idoneidade e teor. Este blog não faz seus necessariamente os comentários e opiniões dos comentaristas. Não serão publicados comentários que contenham linguagem vulgar ou desrespeitosa.