domingo, 13 de junho de 2010

Importância de Carlos Magno na promoção da educação e da cultura

continuação do post anterior


Importância de Carlos Magno na promoção da educação e da cultura

Carlos Magno ordenou escolarizar o Império
No final do século VIII, houve uma primeira tentativa de reerguimento da cultura ocidental. Carlos Magno conseguira reunir grande parte da Europa sob seu domínio. Para unificar e fortalecer o seu império, decidiu executar uma reforma na educação.

O monge inglês Alcuíno elaborou um projeto de desenvolvimento escolar que buscou reviver o saber clássico estabelecendo os programas de estudo a partir das sete artes liberais: o trivium, ou ensino literário (gramática, retórica e dialética) e o quadrivium, ou ensino científico (aritmética, geometria, astronomia e música).

A partir do ano 787, foram emanados decretos que recomendavam, em todo o império, a restauração de antigas escolas e a fundação de novas. Institucionalmente, essas novas escolas podiam ser monacais, sob a responsabilidade dos mosteiros; catedrais, junto à sede dos bispados; e palatinas, junto às cortes.

Essas medidas teriam seus efeitos mais significativos apenas séculos mais tarde. O ensino da dialética (ou lógica) foi fazendo renascer o interesse pela indagação especulativa; dessa semente surgiria a filosofia cristã da Escolástica.

Além disso, nos séculos XII e XIII, muitas das escolas que haviam sido estruturadas por Carlos Magno, especialmente as escolas catedrais, ganharam a forma de Universidades.

O Renascimento do Século XII

Depois da contenção das últimas ondas de invasões estrangeiras no século X, seguiu-se uma fase de relativa tranqüilidade em relação às ameaças externas, que também coincidiu com um período de condições climáticas mais amenas.

A Europa Ocidental passa então por mudanças sociais, políticas e econômicas, que vão gerar o chamado Renascimento do Século XII.

Progresso generalizado
Evoluções técnicas possibilitam o cultivo de novas terras e o aumento da diversidade dos produtos agrícolas, que sustentam uma população que passa a crescer rapidamente.

O comércio está em franca expansão, ocorre o desenvolvimento de rotas entre os diversos povos que reduzem as distâncias, facilitando não só o comércio de bens físicos, mas também a troca de idéias entre os países.

As cidades também vão abandonando a sua dependência agrária, crescendo em torno dos castelos e mosteiros.

Nesse ambiente receptivo, começam a ser abertas novas escolas ao longo de todo o continente, inclusive em cidades e vilas menores.

No campo intelectual, as mudanças são também fruto do contato com o mundo oriental e árabe através das Cruzadas e do movimento de Reconquista da Península Ibérica.

Na altura, o mundo islâmico encontrava-se bastante avançado em termos intelectuais e científicos. Os autores árabes tinham mantido durante muito tempo um contacto regular com as obras clássicas gregas (Aristóteles, por exemplo), tendo feito um trabalho de tradução que se tornaria valioso para os povos ocidentais, já que por este meio voltaram a entrar em contacto com as suas raízes eruditas entretanto “esquecidas”.

De facto, seja em Espanha (Toledo), seja no sul de Itália, os tradutores europeus vão produzir um espólio considerável de traduções que permitiram avanços importantes em conhecimentos como a astronomia, a matemática, a biologia e a medicina, e que se tornariam o gérmen da evolução intelectual européia dos séculos seguintes.

Embaixo: video
7. Os monges na construção da civilização ocidental



Se seu email não visualiza corretamente o vídeo embaixo CLIQUE AQUI

continúa no próximo post

Desejaria receber atualizações instantâneas e gratuitas de "Glória da Idade Média" em meu email
AS CRUZADASCASTELOS MEDIEVAISCATEDRAIS MEDIEVAISHERÓIS MEDIEVAISORAÇÕES E MILAGRES MEDIEVAISCONTOS E LENDAS DA ERA MEDIEVALA CIDADE MEDIEVALJOIAS E SIMBOLOS MEDIEVAIS

Um comentário:

Anônimo disse...

OBS: OS MUÇULMANOS não foram responsáveis pelo intelectual e cientifico,na verdade,eles
traduziram esses escritos para o árabe QUANDO DOMINARAM o Norte da áfrica,Espanha.Os autores eram
GREGOS,PERSAS,INDIANOS, CRISTÃOS e JUDEUS.Esses (CRISTÃOS) tinham nomes islamizados por causa da
PERSEGUIÇÃO,ou se tornaram muçulmanos.

PRIMEIRO TRATADO de MEDICINA: em árabe foi escrito por um CRISTÃO e traduzido p/ árabe por um
JUDEU. (683)

MAOMÉ ROUBOU A LITERATURA:ele ñ descreveu estágio embrionário do feto,foi pelo médico GALENO
(129 dc) e PRESERVADO por um SACERDOTE CRISTÃO,SÉRGIUS RESHAINA que estudou medicina em Alexan
dria.

O islã USURPOU tudo e atribuiu a eles.O ocidente não se desenvolveu intelectualmente e cientificamente por causa do contato com eles,isso é MENTIRA!

Postar um comentário

Obrigado pelo comentário! Escreva sempre. Este blog se reserva o direito de moderação dos comentários de acordo com sua idoneidade e teor. Este blog não faz seus necessariamente os comentários e opiniões dos comentaristas. Não serão publicados comentários que contenham linguagem vulgar ou desrespeitosa.