domingo, 28 de outubro de 2012

Nobre ou burguês? Escolha: pagar imposto com seu sangue ou com mercadorias?

Nobre cavaleiro medieval
Nobre cavaleiro medieval
A imagem representa um nobre.

Alguém diria: “Que diferença! Como é mais agradável ser este nobre! Olha como ele é bonitão, como ele está bem armado, como ele cerra de cima! Que majestade que tem esse homem! Eu gostaria de ser mais esse homem do que um burguês”.

A resposta é imediata: “Meu caro, tem bom gosto! Mas, antes de optar, pense um pouco. Os nobres eram os guerreiros da sociedade. A Idade Média não tinha serviço militar obrigatório.

“Só quando a cidade ou a região era atacada que os habitantes da cidade deviam defendê-la. Se o inimigo fugisse, acabava a guerra para eles; se o inimigo tomasse a cidade, também os habitantes desta ficavam lá. O inimigo ia embora e eles ficavam na paz.

“Mas o nobre, não. O nobre tinha obrigação de defender o país. E quando o rei convocava para a guerra, o nobre tinha que ir, pagando de seu bolso os soldados que ele levava.


“O nobre era a classe militar – que derramava seu sangue em todos os campos de batalha da Europa.

“E como o sangue, mais do que uma mercadoria – mas, a ser comparado a uma mercadoria, é a mais alta das mercadorias --, ele entregava seu sangue pela pátria. Era a primeira classe social, era a classe dos sacrificados.

Burguês medieval no inverno, col. Lewis E M 011-19
Burguês medieval no inverno, col. Lewis E M 011-19
“Era a classe, portanto, também dos que tinham poder, dos que eram cercados de admiração e de respeito, porque eram o muro vivo da nacionalidade”.

Agora: imagine se se oferecesse aos indivíduos de hoje esta escolha:

“Vocês vão ser nobres, mas quando houver guerra, é só por cima de vocês. Nós não vamos para a guerra”. - O leitor acha que haveria muitos nobres hoje?

Quantos queriam ser nobres?

Quantos dos que hoje usam o título de nobres queriam continuar nobres com a condição de ir obrigatoriamente para a guerra?

Não seriam muitos.

Santo Hermenegildo, Francisco de Zurbarán
Santo Hermenegildo, Francisco de Zurbarán
Agora, por quê?

Porque a tarefa da guerra era dura e o nobre medieval era um esplêndido batalhador.

Então, quando dizem que os nobres sugavam o povo com impostos, perguntem isso: se eles queriam ser nobres a esse preço, e muitos vão ficar muito embaraçados.

A imagem ao lado é de um guerreiro medieval. É pintado por um pintor de um pouco depois da Idade Média, o grande pintor Zurbarán, e representa um príncipe espanhol Santo Hermenegildo (564–585), filho do rei visigodo Leovigildo.

O pintor o apresenta com suas insígnias de príncipe e com a arma de guerra usada em seu martírio, pois ele recusou aceitar a heresia ariana dominante em sua régia família.

O quadro representa muito bem a estampa de um nobre guerreiro medieval e sua disposição continuada para a guerra e para a morte pelo bem do país e da Igreja.

Junto com São Fernando III, Rei de Castela, é o santo patrono da monarquia espanhola.



(Fonte: Plinio Corrêa de Oliveira, 22.04.73. Sem revisão do autor.)



AS CRUZADASCASTELOS MEDIEVAISCATEDRAIS MEDIEVAISHERÓIS MEDIEVAISORAÇÕES E MILAGRES MEDIEVAISCONTOS E LENDAS DA ERA MEDIEVALA CIDADE MEDIEVALJOIAS E SIMBOLOS MEDIEVAIS

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado pelo comentário! Escreva sempre. Este blog se reserva o direito de moderação dos comentários de acordo com sua idoneidade e teor. Este blog não faz seus necessariamente os comentários e opiniões dos comentaristas. Não serão publicados comentários que contenham linguagem vulgar ou desrespeitosa.