domingo, 3 de março de 2013

O projeto monástico de São Bento e nacimento da cultura e da civilização

Ora et labora ("reza e trabalha") é o leimotiv beneditino
Ora et labora ("reza e trabalha") é o leimotiv beneditino
Continuação do post anterior


É curioso que o projeto beneditinose mostra especialmente criativo no domínio do quotidiano, do corpo, dos sentidos, da cultura material e profana, com as quais se propõe precisamente romper.

Mais: nos séculos XI e XII os mosteiros beneditinos de homens e de mulheres foram mesmo criadores de valores profanos tipicamente europeus e ocidentais, que depois a sociedade fez seus.

Os monges e o corpo

O aspecto mais importante: a alimentação. Numa abadia, isso pode ser complicado, mesmo triplamente complicado: porque é preciso preparar diariamente comida para um grande grupo, pela imposição estrita da proibição de carne de quadrúpedes e pelos frequentes jejuns. A comunidade tem que resolver muitos e difíceis problemas:

– a produção de matérias primas em autarquia;

– a preparação e a transformação dessas matérias primas em alimentos comestíveis;

– a conservação e a armazenagem em stock dos produtos.



Repare-se nisto: é preciso dispor em permanência, e em grande quantidade, de substitutos para a alimentação à base de carne; é preciso investir nas frutas, nos legumes, nos derivados de leite, na criação de capoeira e na piscicultura.

Na piscicultura houve realizações verdadeiramente espetaculares: arranjo de enormes tanques; construção de barragens ou de viveiros, em cascata ou alimentados por água corrente (por vezes constituindo conjuntos luxuosos e monumentais); técnicas sofisticadíssimas de repovoamento de peixes, de fecundação artificial (nomeadamente na Borgonha), de criação de determinadas espécies (as carpas da Alemanha e da Polónia), de maneiras de pescar (o salmão na Irlanda).

Monges na colheita de trigo
Monges na colheita de trigo
Entremos nas cozinhas e observemos as experiências de organização do espaço, os fornos, as chaminés, os esgotos, por vezes conduzindo a resultados extraordinários: Alcobaça, é claro, mas também Fontevrault, Glastonbury, Villers-la-Ville. Mas podíamos falar também na organização do trabalho, nos utensílios...

Centremo-nos na preparação e transformação dos alimentos.

Celeiro de Cluny: tão grande que hoje abriga um museu
Celeiro de Cluny: tão grande que hoje abriga um museu
Como já foi observado por historiadores da alimentação e do quotidiano, quase todos os progressos realizados, desde os inícios da Idade Média, nos diversos sectores da economia e da tecnologia alimentares, são devidos aos esforços metódicos e perseverantes dos estabelecimentos religiosos; a cozinha dos religiosos está, involuntariamente, na origem da gastronomia.

A proibição da carne e os jejuns estimulam a criatividade, as experiências dietéticas e culinárias, a exploração das virtualidades de outros produtos alimentares diferentes da carne vermelha.

É preciso armazenar grandes stocks e conservá-los em bom estado, para ter sempre disponível uma reserva alimentar para um grupo numeroso.

Não é só um problema para o cozinheiro, é também para o celeireiro, que cuidará dos edifícios e das condições de armazenagem, da gestão de stocks, do tratamento de excedentes.

Muitos celeiros cistercienses ficaram famosos (Pontigny, Longpont, Royaumont, Noirlac, Clermont, Villers). O celeiro de Claraval, do fim do século XII, tinha 75 m de comprimento; o de Vauclair, do século XIII, 70x15m, o que dá 1050 m2; o de Eberbach, construído pelo ano de 1200, media 93x16 m (=1488 m2). Seria interessante saber como é que eles eram aproveitados interiormente.

Lembremo-nos, além disso, das granjas monumentais, ou da famosa fábrica de cerveja de Villers-la-Ville (1270-1276), com as dimensões de 42X12 m (=504 m2).




(Autor: (excertos de) Luís Miguel Duarte, Professor Catedrático de História Medieval na Faculdade de Letras da Universidade do Porto)


Continua no próximo post



AS CRUZADASCASTELOS MEDIEVAISCATEDRAIS MEDIEVAISHERÓIS MEDIEVAISORAÇÕES E MILAGRES MEDIEVAISCONTOS E LENDAS DA ERA MEDIEVALA CIDADE MEDIEVALJOIAS E SIMBOLOS MEDIEVAIS

3 comentários:

Luiz disse...

Bom dia,
Bravo pelo seu trabalho generoso de divulgação que como sempre nos é muito proveitoso.
Bem haja,

Sonia Rosalia Refosco de Oliveira disse...

Caro amigo do blog Glória da Idade Média, bom dia!
Acabo de receber seu texto sobre o projeto de São Bento. Sou professora do colégio de São Bento em SP e gostaria de usar seu texto para meu trabalho na escola. Posso fazer isso? Gostaria de saber se você tem mais coisas sobre São Bento, pois nesse ano fazemos 110 anos e a comemoração vai ser grande. Aguardo seu retorno.

Luis Dufaur disse...

Prezada Profª.

Salve Maria!

De fato e como não podia ser de outra maneira temos publicado muita matéria sobre São
Bento, Patriarca de Ocidente, em certo sentido fundador da Idade Média.

E apublicamos tanto que não lembro tudo.
A Sra pessoalmente pode procurar clicando em algum dos Assuntos preferidos no fim da coluna da direita, notadamente São Bento e Cluny, mas também em tudo o que se refere à vida monástica ou inícios da agricultura, arquitetura, etc.

Temos também agendada a publicação de mais posts sobre o grande abade.

atenciosamente

Luis

Postar um comentário

Obrigado pelo comentário! Escreva sempre. Este blog se reserva o direito de moderação dos comentários de acordo com sua idoneidade e teor. Este blog não faz seus necessariamente os comentários e opiniões dos comentaristas. Não serão publicados comentários que contenham linguagem vulgar ou desrespeitosa.