domingo, 7 de junho de 2015

Os “Ditames do Papa” e o maior Papa da Idade Média:
São Gregório VII

São Gregório VII, restaurou e elevou a um píncaro  a respeitabilidade do Papado abalada por pontífices venais.  Busto de ouro e prata na catedral de Salerno, Itália.
São Gregório VII, restaurou e elevou a um píncaro
a respeitabilidade do Papado abalada por pontífices venais.
Busto de ouro e prata na catedral de Salerno, Itália.



No ano do Senhor de 1075 foram incluídos nos registros pontifícios, os famosos Dictatus Papae, ou Ditames do Papa. I. é, regras, avisos, ordens ou doutrinas do Papa, redigidos em forma concisa e penetrante.

Os Ditames versam sobre as relações entre a Igreja (especificamente do Papado) com o Império, e a ordem temporal em geral.

No ano da inscrição, o Papa felizmente reinante São Gregório VII livrava tremenda batalha contra as indevidas pretensões do Imperador Henrique IV.

Nessa famosa querela ‒ também conhecida como “querela das investiduras” ‒ Henrique IV teve que pedir perdão a São Gregório VII, quem o tinha excomungado.

O grande Papa estava no castelo de Canossa, na Toscana. Henrique IV passou três dias do lado de fora, na neve, vestido de penitente até receber o perdão. De ali vem a expressão “ir a Canossa”.

Como São Gregório VII temia, o arrependimento de Henrique IV não era sincero. Voltou à Alemanha, montou um exército e assaltou Roma.

São Gregório VII foi assim obrigado a se refugiar no sul da Itália, morrendo em Gaeta, não muito depois.

Suas últimas palavras foram: “Amei a justiça e detestei a iniqüidade, por isso morro no exílio”.



Entrementes, os príncipes alemães defensores do Papado, acabaram liquidando a revolta do imperador excomungado e deposto.

Henrique IV pede perdão a São Gregório VII em Canosa
O imperador Enrique IV pede perdão a São Gregório VII no castelo de Canossa
São Gregório VII, embora na tumba, foi o grande vencedor.

Os Ditames refletem tão bem os ensinamentos desse glorioso pontífice que a ele foram atribuídos. Porém os especialistas discutem a redação, sem chegarem ainda a uma conclusão.

A disputa acadêmica é sobre datas e não sobre a doutrina, que é a de São Gregório VII, para muitos o maior Papa da Idade Média.

Em época de arrogante laicismo revolucionário os Dictatus Pape ganharam nova atualidade.



DICTATVS PAPAE, bula de São Gregório VII


1 ‒ Que a Igreja Romana foi fundada somente por Deus.

2 ‒ Que somente o Pontífice Romano pode ser chamado de universal com pleno direito.

3 ‒ Que somente o Pontífice pode depor e restabelecer bispos.

4 ‒ Que os legados do Pontífice, ainda que de grau inferior, em um concílio estão acima de todos os bispos, e pode contra estes pronunciar sentença de deposição.

5 ‒ Que o Papa pode depor os ausentes.

6 ‒ Que não se deve ter comunhão ou permanecer na mesma casa com aqueles que tenham sidos excomungados.

São Gregório VII, altar, catedral de Salerno
Urna com os restos de São Gregório VII, altar na catedral de Salerno, Itália.
7 ‒ Que só a ele é lícito promulgar novas leis de acordo com as necessidades dos tempos, reunir novas congregações, converter uma abadia em casa canônica e vice-versa, dividir uma diocese rica ou unir pobres.

8 ‒ Que somente ele possui as insígnias imperiais.

9 ‒ Que todos os príncipes devem beijar os pés do Papa.

10 ‒ Que o seu nome deve ser recitado em toda igreja.

11 ‒ Que o seu título é único no mundo.

12 ‒ Que é lícito depor o imperador.

13 ‒ Que a ele é lícito segundo as necessidades transladar os bispos de uma sede para outra.

14 ‒ Que ele tem o poder de ordenar um clérigo de qualquer igreja para o lugar que queira.

15 ‒ Que o que foi ordenado por ele pode governar a igreja de outro, mas não fazer a guerra; não pode receber de outro bispo um grau superior.

Facsímile dos "Ditames do Papa
Facsimile dos "Ditames do Papa"
16 ‒ Que nenhum sínodo pode ser chamado de geral se não for guiado por ele.

17 ‒ Que nenhum artigo ou livro pode ser chamado de canônico sem sua autorização.

18 ‒ Que nada pode revogar sua palavra, só ele pode fazê-lo.

19 ‒ Que nada pode julgá-lo.

20 ‒ Que nada pode condenar quem apela a Sede Apostólica.

21 ‒ Que as causas de maior importância, de qualquer igreja, devem ser submetida ao seu juizo.

22 ‒ Que a Igreja Romana não erra e não errará jamais, isto está de acordo com as sagradas escrituras.

23 ‒ Que o Pontífice Romano, se houve sido ordenado em uma eleição canônica,está indubitavelmente santificado pelos mérito do Bem Aventurado Pedro como nos testemunha Santo Ennódio, bispo de Pávia, com o consentimento de muitos Santos Padres, como se encontra escrito nos decretos do bem aventurado Papa Símaco.

24 ‒ Que de baixo de sua ordem e com sua permissão é lícito aos súditos fazer acusações.

25 ‒ Que pode depor e restabelecer os bispos mesmo fora de reuniões de sínodo.

26 ‒ Que não deve ser considerado católico quem não está de acordo com a Igreja Romana.

27 ‒ Que o Pontífice pode absolver os súditos de juramento de fidelidade a iníquos.

(Fonte: Gallego Blanco, E., Relaciones entre la Iglesia y el Estado en la Edad Media, Biblioteca de Política y Sociología de Occidente, 1973, Madrid, pp. 174-176)




AS CRUZADASCASTELOS MEDIEVAISCATEDRAIS MEDIEVAISHERÓIS MEDIEVAISORAÇÕES E MILAGRES MEDIEVAISCONTOS E LENDAS DA ERA MEDIEVALA CIDADE MEDIEVALJOIAS E SIMBOLOS MEDIEVAIS

Um comentário:

Anônimo disse...

Foi sem dúvida um grande papa que fez tudo pl vrdd da igreja: a Santa Igreja Católica.
Agradeco por este documento, pois guardei no meu computador.

abraço,
olga

Postar um comentário

Obrigado pelo comentário! Escreva sempre. Este blog se reserva o direito de moderação dos comentários de acordo com sua idoneidade e teor. Este blog não faz seus necessariamente os comentários e opiniões dos comentaristas. Não serão publicados comentários que contenham linguagem vulgar ou desrespeitosa.