domingo, 10 de dezembro de 2023

Consoada da noite de Natal

Na noite de Natal: momento da consoada
Na noite de Natal: momento da consoada
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs








A milenar liturgia católica recomendava o jejum aos fiéis antes de todas as grandes festas religiosas. E o Brasil inteiro o praticava com muitos apreciáveis costumes.

No período do Advento, prévio ao Natal, o jejum consistia na abstenção de carne vermelha desde o quarto domingo anterior ao dia 25, ou até às 23h59min do dia 24.

Na véspera da comemoração do nascimento do Menino Jesus, o jejum era total.

Mas os fiéis o compensavam desde o início da noite reunindo-se, rezando e cantando na igreja enquanto aguardavam a Missa de Galo.

A igreja era toda iluminada com lâmpadas de azeite e tochas. Muitos círios iluminavam o Santíssimo Sacramento no altar, enquanto as paredes ficavam revestidas com tecidos e tapetes.

O templo era perfumado com alecrim, rosmaninho e murta. Em alguns locais mais frios costumava-se deitar palha no chão para aquecer o ambiente.

O jejum da vigília era praticado como forma de mortificação das más inclinações e um convite à contemplação do grande mistério que seria celebrado.

A Igreja mitigou o jejum total da noite de 24 de dezembro e entrou o costume de uma ceia especialmente preparada para ser degustada à meia-noite, depois da Missa do Galo.

Bacalhau português
Bacalhau português
Comia-se então quase que exclusivamente peixe — em Portugal, bacalhau, costume que ainda perdura em muitos lares brasileiros.

Na França, o bacalhau era tido como o rei dos peixes.

Em outros países entraram outras iguarias “penitenciais”, dependendo dos recursos naturais dos respectivos habitantes.

O nome “consoada”


O povo chamava aquela ceia de Natal de “consoada” — nome surgido no século XVII que significa pequena refeição —, a qual se tornou mais abundante após o fim do jejum.

Até a revolução “pós-conciliar”, depois da Missa do Galo as famílias voltavam para suas casas, colocavam a imagem do Menino Jesus no Presépio, cantavam e rezavam em seu louvor, faziam a consoada e trocavam presentes.

A calma do mundo pré-industrial presidia a consoada: pratos leves, com a alegria do convívio familiar intenso e abençoado pela liturgia católica.

Ainda se estava longe da era das velocidades, em que tudo se faz apressadamente, da civilização da imagem, da comida fast food, do disk-pizza.

A vida comum, aprazível, amável, da doçura de viver, foi atropelada pela aflição do corre-corre que abriu a era das neuroses e psicoses.

Naquela Noite Santa, os vitrais pareciam querer transmitir graças especialmente encantadoras da ordem, em um equilíbrio de cores e numa atmosfera feérica de paz e doçura que iluminavam as almas.

Os fiéis levavam consigo para a consoada a lembrança indelével e comunicativa haurida na Missa do Galo pelo nascimento do Menino-Deus.

O nome Missa do Galo usa-se apenas em português e espanhol. Na maior parte do mundo chama-se simplesmente Missa da noite de Natal ou Missa da meia-noite.

Tradição brasileira


Pratos de consoada brasileira
No Brasil colonial, a liturgia cristã e a consoada obedeciam ao hábito português, embora com peculiaridades locais.

Pois o Natal não era uma reunião íntima com a família fechada, como é hoje.

Era, sobretudo, uma celebração aberta a todos, com muitos pratos e doces regionais.

Ninguém ficava de fora da comemoração, da senzala à casa grande, dos trabalhadores urbanos aos administradores públicos, todos participavam e se confraternizavam.

Havia ainda o costume de indivíduos ou famílias trocarem presentes, aliás com uma generosidade comovedora.

Na maioria dos casos, os presentes eram víveres, sendo o chamado “pão de Deus”, coberto com creme e coco ralado, um dos regalos preferidos.

No dia seguinte havia o grande almoço de Natal. O gosto pelo peru veio da América do Norte, enquanto o do foie-gras, das ostras e do salmão vieram do apetitoso cardápio preferido na França.

Os hábitos alimentares carregados de significados simbólicos continuaram presentes mesmo após o abandono da liturgia antiga, com destaque para o vinho, que nos remete ao Sangue de Cristo e à Redenção na Terra Santa.

“No Nordeste, muitas famílias servem pernil de bode ao forno, cuscuz com manteiga de garrafa, bolo de rolo com queijo do reino.

“No Centro-Oeste, sobremesas com frutas do cerrado, o empadão goiano, o frango caipira.

“No Norte, peixes de água doce ao lado das farofas com castanhas, do arroz de tucumã e da salada de folhas de jambu.

“No Rio, o bacalhau português; em Minas, os suínos pururucados; em São Paulo, o arroz enriquecido dos bandeirantes; no Espírito Santo, a torta capixaba super enfeitada.

“E, por fim, no Sul, strudels, carnes assadas em fogos de chão e pães recheados, tanto doces como salgados”, descreveu a especializada Paula Salles.

Mas algo essencialíssimo nunca faltava aos que procuravam os imponderáveis do Natal, irradiados há dois milênios de um pobre presépio da Gruta de Belém, convidando as famílias a degustar e participar de tradições penetradas pelo sobrenatural que só a Igreja Católica é capaz de transmitir.




AS CRUZADASCASTELOS MEDIEVAISCATEDRAIS MEDIEVAISHERÓIS MEDIEVAISORAÇÕES E MILAGRES MEDIEVAISCONTOS E LENDAS DA ERA MEDIEVALA CIDADE MEDIEVALJOIAS E SIMBOLOS MEDIEVAIS

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado pelo comentário! Escreva sempre. Este blog se reserva o direito de moderação dos comentários de acordo com sua idoneidade e teor. Este blog não faz seus necessariamente os comentários e opiniões dos comentaristas. Não serão publicados comentários que contenham linguagem vulgar ou desrespeitosa.