domingo, 21 de abril de 2019

O incêndio de Notre Dame de Paris e o futuro da Cristandade: ocaso ou restauração?

Notre Dame de Paris antes do incêndio de 15 de abril 2019
Notre Dame de Paris antes do incêndio de 15 de abril 2019
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs






No best-seller Ugly as Sin — Feias como o pecado — Michael S. Rose, jovem arquiteto americano, doutor em Belas Artes pela Brown University (EUA) apresentou a catedral Notre Dame de Paris como a jóia-da-coroa da Cidade Luz, o verdadeiro epicentro, a alma da capital francesa.

Solene e maternal, ela irradia sua influência a partir da Île de la Cité, como uma grande dama a partir do palácio, no centro do seu feudo.

Ela é a representação do Cristianismo na sua totalidade: desde o império universal de Nosso Senhor Jesus Cristo até os sofrimentos dos precitos no inferno.

Nela, o peregrino percebe a luta entre o bem e o mal, entre o sagrado e o profano, entre o eterno e o passageiro.

Notre Dame, insiste Michel Rose, é arte no sentido mais nobre do termo, é arquitetura da mais alta classe, um “lugar sagrado” que espelha as realidades eternas.

Ela é, antes de tudo, a casa onde Deus habita na Terra. Assim a Idade Média via Deus.

Compreende-se à luz destas considerações, e de muitas mais que podem se fazer e foram feitas, o impacto mundial que provocou o incêndio do telhado de Notre Dame e da queda simbólica de sua agulha em chamas.

Incêndios dessa magnitude e simbolismo aconteceram na história medieval.

Lembremos daquele que devorou a catedral de Chartres (a sétima) anterior à atual, em 1194. A causa foi um raio que atingiu o telhado. A catedral ardeu durante três dias.

Não havia ainda tecnologia para apagá-lo. Mas havia Fé!

Detalhe de: Incêndio da catedral de Chartres. No século XII. François Alexandre Pernot (1793-1865). Musée des Beaux-Arts de Chartres
Detalhe de: Incêndio da catedral de Chartres. No século XII.
François Alexandre Pernot (1793-1865).
Musée des Beaux-Arts de Chartres
A grande preocupação do povo foi com a sorte de uma relíquia: o véu de Nossa Senhora que se venera ainda hoje na nova catedral maior e mais imponente erigida sobre os restos da antiga incendiada.

Acreditou-se que a relíquia fora tragada pelas chamas.

Mas eis que três dias depois, os populares tomados de entusiasmo indescritível viram sair das cinzas fumegantes uma procissão de cônegos da catedral carregando em andor a preciosíssima relíquia.

Percebendo a gravidade do desastre, os bons e velhos sacerdotes acorreram para salvá-la. E ficaram presos entre as labaredas!

Então desceram pelas ruínas das seis antigas igrejas sobre que repousava a velha catedral em fogo e ficaram aguardando na incerteza e na escuridão algum momento para sair.

Vendo o heroísmo, o entusiasmo foi tão grande que a construção da nova -- e oitava! -- catedral começou logo.

Ela foi completada num tempo recorde com o trabalho manual voluntário de todas as classes sociais, dois reis incluídos.

Confira: O entusiasmo religioso na construção da catedral de Chartres

Também a abadia do Monte Saint-Michel foi consumida em circunstâncias análogas.

E voltou a ser reconstruída, até mais de uma vez.

A catedral de Chartres hoje
A catedral de Chartres hoje

Poderíamos ainda citar inúmeros outros exemplos em que a Providência fez da catástrofe um fator de reafervoramento colossal.

Não houve só fatores materiais no calvário dos grandes monumentos medievais.

Houve também o fogo ateado pelo ódio revolucionário. Fogo, aliás, infernal.

Ainda mais uma vez, uma das vítimas foi a catedral consagrada a Nossa Senhora em Paris.

A Comuna de Paris, primeiro governo comunista que conseguiu se estabelecer - ainda que efemeramente - num país ou grande cidade mandou queimar igrejas, palácios da monarquia e da nobreza, e quantos prédios significassem a glória da Civilização Cristã.

Os communards, nome dos revoltosos comunistas que tinham entre seus chefes a Karl Marx, invadiram a catedral, a depredaram, empilharam móveis, altares, obras de arte e quanto puderam encontrar, instalaram pipas cheias de combustíveis embaixo e atearam o fogo que deveria consumir tudo.

E fugiram para não sucumbir sob o desabamento que viria fatalmente.

Mas, os populares parisienses acorreram, formaram correntes humanas que puxavam água do Sena com baldes e recipientes caseiros e evitaram a perda da catedral.

Santinho evoca a fabulosa ofensa ao Sagrado Coração de Jesus
feita pelos 'communards', comunistas de 1871,
E o pranto de Nossa Senhora, que em La Salette
falou que Paris desapareceria incendiada. Cfr.:
A destruição de grandes cidades pecadoras como Paris
Porém, a influência das tóxicas ideologias democráticas igualitárias da Revolução Francesa havia apagado o entusiasmo religioso típico da era medieval.

Notre Dame ficou em pé mas em estado deplorável.

Porém, no fundo das almas, o remorso pelo abandono do imenso símbolo medieval, levou governos sucessivos a encomendar uma restauração que não acabava nunca e se fazia com uma precariedade e imprevidência, se não é má vontade, que acabou tendo parte no desastre recente.

Entretanto, de cá e lá brotou como um brado de consciências tal vez não puras, mas que ante o calvário da catedral-mãe manifestaram seu inconformidade.

Em questão de horas, as promessas para pagar a restauração superavam o bilhão de euros, se não é mais.

No fundo de cada homem, até dos que estão no topo da modernidade e do anti-medievalismo, dorme um medieval.

E essa verdade que tantas vezes constatamos nos comentários a este blog, tomou contornos muito definidos no momento atual.

É essa realidade tal vez o maior motor daquilo que explica o nome do nosso blog: A GLORIA DA IDADE MÉDIA.


Vídeo: Como foi construída a catedral de Notre Dame







AS CRUZADASCASTELOS MEDIEVAISCATEDRAIS MEDIEVAISHERÓIS MEDIEVAISORAÇÕES E MILAGRES MEDIEVAISCONTOS E LENDAS DA ERA MEDIEVALA CIDADE MEDIEVALJOIAS E SIMBOLOS MEDIEVAIS

terça-feira, 16 de abril de 2019

Acompanhando a Jesus pela Via Sacra em Jerusalém

Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs






A Via Sacra ‒ também conhecida como Via Crucis, Estações da Cruz ou Via Dolorosa ‒ é uma devoção que consiste numa peregrinação espiritual ajudada por uma série de quadros ou imagens que representam cenas da Paixão de Cristo.

A Via Sacra mais conhecida hoje é a rezada no Coliseu de Roma, na Sexta-Feira santa, com a participação do próprio Papa.

As imagens representando as cenas da Paixão podem ser de pedra, madeira ou metal, pinturas ou gravuras. Elas estão dispostas a intervalos nas paredes ou nas colunas da igreja.

Mas, às vezes podem se encontrar ao ar livre, especialmente nas estradas que conduzem a uma igreja ou santuário. Uma Via Sacra muito conhecida é a do santuário de Lourdes, França.

Nos mosteiros as imagens são muitas vezes colocadas nos claustros.

O exercício da Via Sacra consiste em que os fiéis percorram espiritualmente o percurso de Jesus carregando a Cruz desde o Pretório de Pilatos até o monte Calvário, meditando à Paixão de Cristo.

Dados históricos da devoção

A tradição afirma que a Virgem Santíssima costumava visitar diariamente os locais da Paixão de Cristo.

A Via Dolorosa de Jerusalém foi reverentemente sinalizada desde os primeiros tempos e foi uma meta dos piedosos peregrinos desde os dias do imperador Constantino.

São Jerônimo fala das multidões de peregrinos de todos os países que costumavam visitar os lugares santos e percorriam piedosamente a Via da Paixão de Cristo.

O desejo de reproduzir os lugares sagrados em outras terras, a fim de satisfazer a devoção daqueles que estavam impedidos de fazer a verdadeira peregrinação, apareceu muito cedo.

No século V, São Petrônio, bispo de Bolonha erigiu no mosteiro de São Estévão (Santo Stefano em italiano) um conjunto de capelas com as estações. O mosteiro ficou familiarmente conhecido como “Hierusalem”.

Tal exercício, muito usual no tempo da Quaresma, teve forte expansão na época das Cruzadas (do século XI ao século XIII).

O romeiro inglês William Wey que visitou a Terra Santa em 1458, em 1462 descreveu a maneira usual para seguir as pegadas de Cristo em Sua jornada de dores redentores.


As 14 Estações

A Via Sacra se tornou uma das mais populares devoções católicas.

O exercício da Via Sacra tem sido muito recomendado pelos Sumos Pontífices, pois ocasiona frutuosa meditação da Paixão do Senhor Jesus.

O número de estações, passos ou etapas, da dolorosa procissão do Bom Jesus, nosso Redentor, foi definido paulatinamente chegando à forma atual, de quatorze estações, ou passos, no século XVI.

As 14 estações são as seguintes: (CLIQUE PARA VER)



1ª Estação: Jesus é condenado à morte


2ª Estação: Jesus carrega a cruz às costas


3ª Estação: Jesus cai pela primeira vez


4ª Estação: Jesus encontra a sua Mãe


5ª Estação: Simão Cirineu ajuda a Jesus


6ª Estação: A Verônica limpa o rosto de Jesus


7ª Estação: Jesus cai pela segunda vez


8ª Estação: Jesus encontra as mulheres de Jerusalém


9ª Estação: Terceira queda de Jesus


10ª Estação: Jesus é despojado de suas vestes


11ª Estação: Jesus é pregado na cruz


12ª Estação: Jesus morre na cruz


13ª Estação: Jesus morto nos braços de sua Mãe


14ª Estação: Jesus é enterrado


Em cada estação é feita uma meditação sobre o passo e o costume é rezar também um Pai Nosso, uma Ave Maria e um Glória ao Padre.

O percurso da Via Sacra não deve ter interrupções. Mas é permitido assistir a uma Missa, confessar e comungar em meio ao piedoso exercício.



A indulgência plenária

Não existe uma devoção mais ricamente dotada de indulgências do que a Via Sacra.

As indulgências estão ligadas à cruz posta sobre as imagens que devem ser canonicamente erigidas.

Condições para ganhar a indulgência

Concede-se indulgência plenária a quem pratique o exercício da Via Sacra. Para que este se possa realizar, requerem-se quatorze cruzes postas em série (com alguma imagem ou inscrição, se possível) e devidamente bentas. O cristão deve percorrer essas cruzes, meditando a Paixão e a Morte do Senhor (não é necessário que siga as cenas das quatorze clássicas estações; pode utilizar algum livro de meditação). Caso o exercício da Via Sacra se faça na igreja, com grande afluência de fiéis, de modo a impossibilitar a locomoção de todos, basta que o dirigente do sagrado exercício se locomova de estação a estação.

Quem não possa realizar a Via Sacra nas condições acima, lucra indulgência plenária lendo e meditando a Paixão do Senhor pelo espaço de meia-hora ao menos.

(cfr. d. Estevão Bettencourt, Catálogo das Indulgências)

Ver também: O que é uma Indulgência, e as condições para ganhar a Indulgência Plenária.




AS CRUZADASCASTELOS MEDIEVAISCATEDRAIS MEDIEVAISHERÓIS MEDIEVAISORAÇÕES E MILAGRES MEDIEVAISCONTOS E LENDAS DA ERA MEDIEVALA CIDADE MEDIEVALJOIAS E SIMBOLOS MEDIEVAIS

domingo, 14 de abril de 2019

A entrada de Jesus em Jerusalém no Domingo de Ramos

Jesus entrou num humilde burrico
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs








No Domingo de Ramos, comemora-se a entrada triunfante de Nosso Senhor Jesus Cristo em Jerusalém.

No andor principal Nosso Senhor entra sobre um burrico na Cidade Santa.

No andor seguinte, a Mãe de Deus contempla a tragédia que se avoluma.

A entrada de Jesus em Jerusalém, no Domingo de Ramos, patenteia quanto o povo O apreciava incompletamente.

Aclamavam-No, é verdade, mas Ele merecia aclamações incomensuravelmente superiores, e uma adoração bem diversa!

Humildemente sentado num burrico, Ele atravessava aquele povo, impulsionando todos ao amor de Deus.

Em geral, as pinturas e gravuras O apresentam olhando pesaroso e quase severo para a multidão.

Para Ele, o interior das almas não oferecia segredo.

Ele percebia a insuficiência e a precariedade daquela ovação.

Nossa Senhora acompanhava passo a passo a tragédia
Nossa Senhora percebia tudo o que acontecia, e oferecia a Nosso Senhor a reparação do seu amor puríssimo.

Que requinte de glória para Nosso Senhor!

Porque Nossa Senhora vale incomparavelmente mais do que todo o resto da Criação.

Este é o lado misterioso da trama dos acontecimentos da Semana Santa.

Maria representava todas as almas piedosas que, meditando a Paixão, haveriam de ter pena d’Ele e lamentariam não terem vivido naquele tempo para tomar posição a seu lado.



VÍDEO: ENTRADA DE JESUS EM JERUSALÉM

Se seu email não visualiza corretamente o vídeo embaixo CLIQUE AQUI




Palm Sunday: triumphal entrance of Our Lord Jesus Christ in Jerusalem.
(english version)

>

(Autor: Plinio Corrêa de Oliveira, “Catolicismo”, abril de 2003)




AS CRUZADASCASTELOS MEDIEVAISCATEDRAIS MEDIEVAISHERÓIS MEDIEVAISORAÇÕES E MILAGRES MEDIEVAISCONTOS E LENDAS DA ERA MEDIEVALA CIDADE MEDIEVALJOIAS E SIMBOLOS MEDIEVAIS