domingo, 12 de janeiro de 2020

Notre-Dame será reconstruída tal como era

Notre Dame de Paris.
Fundo: Grande Cruz das Três Ordens Militares (Cristo, Santiago, Avis)
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs







A “Bíblia de Pedra” que é a catedral de Notre-Dame de Paris, durante oito séculos resistiu a toda espécie de guerras, revoluções e intempéries.

Mas esteve a ponto de ruir no incêndio do telhado e da agulha em 15 de abril de 2019, deixando o mundo estupefato.

A catástrofe simbolizou a grave crise que devora a própria Igreja Católica que essa legendária catedral representa.

O resgate quase milagroso do Santíssimo Sacramento e das mais preciosas relíquias da catedral, como a Coroa de Espinhos e a túnica de São Luís, soou como uma promessa da restauração católica depois da infernal “penetração da fumaça de Satanás no templo”, tantas vezes rememorada.

Mas as ruínas fumegantes da catedral foram alvo de polêmica.

Sob o pretexto de modernizar a catedral, o presidente francês Emmanuel Macron anunciou um “gesto arquitetônico contemporâneo”, tendo sido adiantados projetos ecologistas, tribalistas ou psicodélicos que deformariam grotescamente a catedral gótica.

Em sentido contrário, imenso setor da população parisiense, francesa e mundial clamou por uma restauração “à l’identique” (segundo o modelo original da Idade Média), acrescido de aperfeiçoamentos congruentes dos séculos posteriores, e requintado no século XIX pelo genial arquiteto Eugène Viollet-le-Duc (1814-1879).

Felizmente, a disputa está perto de se resolver sensatamente.

A nova estrutura do telhado e agulha de Notre Dame replicará a medieval destruída pelo incêndio, inclusive – e com destaque – usando a madeira de carvalho tal como era, informou a revista francesa “Le Point”.

O general de exército Jean-Louis Georgelin, chefe do estabelecimento público responsável pela restauração da Catedral de Notre Dame, ficou convencido pelos especialistas: a reconstrução idêntica é a solução mais rápida, a mais barata e a mais confiável.

Também é a única opção realizável no prazo de cinco anos fixado pelo Presidente da República Emmanuel Macron!

Ele deve dar a máxima luz verde, apesar do lobby intenso das empresas de construção e de alguns arquitetos ansiosos pela glória… de desfigurar o Palácio de Nossa Senhora de Paris!

E malgrado as ansiedades do presidente socialistoide Macron pelos projetos mais exibicionistas e extravagantes!

A estrutura de Notre-Dame, e de outras catedrais medievais, feita com troncos inteiros de carvalho aguentou oito séculos sem o menor sinal de fraqueza!

Bernard Thibaut, especialista em biomecânica de árvores no CNRS, declarou após o incêndio que poderia ter durado outros mil anos. O CNRS é o Centre National de la Recherche Scientifique e tem uma importância comparável ao de um ministério, e é um  dos maiores centros do mundo na área científica.

Nenhum outro material pode se orgulhar dessa longevidade mantendo suas qualidades.

O carvalho é o material mais sofisticado e moderno do mundo, porque flexível, resistente, isolante e indestrutível.

Os vitrais ficaram praticamente intactos
Os vitrais ficaram praticamente intactos
Longe da umidade, ele resiste aos insetos quase para sempre.

“Quanto à sua inflamabilidade, você deve saber que as vigas de madeira resistem por várias horas antes de desabar.
“Isso permitiu aos bombeiros de Notre-Dame salvar vários objetos preciosos.

“Se a armação tivesse sido feita de concreto ou aço, a salvatagem não poderia ter sido efetivada por medo de um colapso repentino”, especifica Thibaut a “Le Point”.

Voltando ao incêndio, a combustibilidade da madeira não está em questão, a desconfiança aponta para o sistema informatizado de detecção de fogo que falhou completamente.

Outra enorme vantagem de uma reconstrução idêntica é que não há estudos a serem realizados.

Os arquitetos já os fizeram em escala milimétrica em 2015.

Em 2014, a empresa Graphic Art & Heritage, por sua própria iniciativa, montou uma réplica digital da estrutura fiel ao milímetro.

A estrutura de Notre-Dame solicitou no século XIII apenas mil carvalhos, 97% dos quais com menos de 60 anos, de um diâmetro de 25 a 30 centímetros.

Os outros, ou seja, de uns trinta anos, eram mais velhos, com cerca de cinquenta centímetros de diâmetro.

Os mestres carpinteiros medievais “foram capazes de enfrentar esse desafio de maneira brilhante ao projetar uma estrutura complexa, mas equilibrada, estável para si e para as paredes, com muitos dispositivos de rigidez nas treliças, reforços nos laços, duplicação das triangulações”, explica Frédéric Épaud, especialista em estruturas medievais no CNRS.

E para obter os mil carvalhos necessários, os silvicultores limparam uma área de apenas três hectares no meio da floresta.

Os mestres carpinteiros medievais fizeram uma obra insuperável com simples troncos
Ali plantaram carvalhos em uma densidade muito alta. “A forte competição os forçou a crescer muito rapidamente em direção à luz em altura, não em espessura”.

Nada de fantasias anticlericais ou ambientalistas que falam de florestas inteiras devastadas para a construção de catedrais góticas, escreve Frédéric Épaud.

Só três hectares.

Mas hoje para a reconstrução de Notre-Dame nem isso será necessário.

A França tem seis milhões de hectares de carvalho plantados sistematicamente há décadas senão algum século, em certos casos.

Não haverá dificuldade para os silvicultores encontrarem as mil árvores necessárias.

Eles serão então abatidos, tomando as precauções ecológicas necessárias, analisados com as tecnologias modernas para garantir sua perfeita condição interna e, finalmente, colocados na praça de Notre-Dame para serem imediatamente trabalhados lá.

Sim, você leu certo: “imediatamente”!

Frédéric Épaud explica que na Idade Média a madeira não era seca antes de ser modelada.

“Os documentos à nossa disposição e os estudos de outras grandes estruturas do século XIII nos permitem responder que a madeira usada nas molduras medievais nunca foi seca por anos antes de ser usada, mas cortada em verde e colocada logo após a derrubada”, confirma a “Le Point”.

Portanto, não há razão para aguardar pela reconstrução.

O machadinho dito 'doloire' foi o instrumento ideal para os carpinteiros da catedral. Na foto sobre uma pedra de afiar
O machadinho dito 'doloire'
foi o instrumento ideal para os carpinteiros da catedral.
Na foto sobre uma pedra de afiar
Uma segunda regra medieval deve ser observada: não use uma serra para cortar as toras, mas apenas o doloire, um pequeno machado.

Serrar produz vigas bem retas, mas à custa do grão da madeira. Como resultado, a resistência da madeira é muito menor.

“As madeiras trabalhadas com o doloire são mais sólidas e mais bem sustentadas do que as serradas, se deformam muito menos com a secagem, as perdas são mínimas, o trabalho é mais bonito, respeitando as formas naturais”, confirma Frédéric Épaud.

Apenas algumas empresas mantiveram esse conhecimento medieval, e será necessário treinar vários carpinteiros modernos para esse requinte tecnológico.

A estrutura será montada no chão para fazer os ajustes, depois desmontada; e içada em pedaços no topo da catedral e remontada.

Tudo isso pode ser relativamente rápido, segundo Frédéric Épaud, segundo o que ele aprendeu quando estudava a catedral de Bourges.

“A construção de sua estrutura do século XIII exigiria apenas 19 meses de trabalho para uma equipe de 15 a 20 carpinteiros, desde a renderização dos 925 carvalhos até o levantamento das fazendas.

Mestre de obras distribui os serviços.
Nos operários não há luta de classes mas muita vontade pela glória de Deus.
Embora populares, todos se vestem com grande dignidade
“Em resumo, se os carvalhos forem derrubados no próximo inverno (2020), a estrutura estará pronta para ser instalada no verão de 2022.

“Mas antes disso, teremos que consolidar a catedral, examinar e restaurar as paredes.

“Mas, novamente, isso não deve ser um problema.

“Várias de nossas catedrais já arderam na Idade Média ou no Renascimento, sem que sua reconstrução apresentasse o menor problema.

“Quanto aos vitrais, além de uma boa limpeza, eles não precisam de mais nada.

“Em resumo, podemos começar a esperar uma inauguração, como prometido, em 24 de abril de 2024.

“Vamos agora a cortar o carvalho. Não falta mais nada”, concluiu.

Falta, nos desculpe o especialista, tal vez o mais difícil: que o socialistoide presidente Macron tenha a honradez de assinar o decreto com os conselhos dos cientistas que verdadeiramente sabem sobre catedrais.




AS CRUZADASCASTELOS MEDIEVAISCATEDRAIS MEDIEVAISHERÓIS MEDIEVAISORAÇÕES E MILAGRES MEDIEVAISCONTOS E LENDAS DA ERA MEDIEVALA CIDADE MEDIEVALJOIAS E SIMBOLOS MEDIEVAIS

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado pelo comentário! Escreva sempre. Este blog se reserva o direito de moderação dos comentários de acordo com sua idoneidade e teor. Este blog não faz seus necessariamente os comentários e opiniões dos comentaristas. Não serão publicados comentários que contenham linguagem vulgar ou desrespeitosa.