domingo, 1 de setembro de 2013

Muçulmanos iniciaram violências e morticínios
contra os peregrinos

continuação do post anterior

De todas as partes, então, entre os cristãos, aqueles que buscavam obter grandes favores, ou expiar grandes quedas, se colocam em peregrinação aos lugares santos juntamente com os fiéis piedosos que para lá se dirigiam possuídos somente pelo amor ao Redentor.

Entre os peregrinos ilustres destes primeiros tempos, citamos São Silvino, bispo regional cujo nome conta na lista dos bispos de Toulouse e na lista dos bispos de Thérouenne. Ele assistiu ao batismo de Carlos Martel;

Santo Arculfo, prelado nas Gálias, que escreveu em seu retorno uma descrição dos lugares santos [Mabillon a conservou nas Acta Benedictorum];

Santo Willibald, bispo de Aichstaldt, na Francônia, e um dos apóstolos da Alemanha. Uma santa religiosa de sua família narrou sua viagem.


Muitos partiram para expiar crimes. Em 868, um senhor da Bretanha francesa, chamado Frotmond, assassino de seu tio e mais jovem de seus irmãos, recebeu absolvição após ter feito três vezes a peregrinação de Jerusalém.

Os rigores contra os cristãos reapareceram sob os fracos sucessores de Carlos Magno.

No século X, eles se tornaram mais violentos; o que não detinha, ainda, o zelo dos peregrinos para a santa viagem.

Eles partiam com o cajado e as escrituras; a suserania de quem eles dependiam, lhes concediam uma carta;

seus parentes e o clero de suas paróquias lhes conduziam em procissão, orando e abençoando, até os limites do território;

e eles iam, recebidos nos castelos e nos monastérios, honrados como servos de Jesus Cristo, respeitados como seres consagrados a Deus, protegidos pelos cavaleiros, livres de todos os pedágios.

Eles atravessavam sem perigo os exércitos e os campos de batalha. Contudo, chegando à Palestina, eles só podiam, muito raramente, atingir o fim de seus votos ardentes.

Em 986, o sábio Gerbert, que se tornaria papa 17 anos mais tarde, sob o nome de Silvestre II, fez, por devoção, a viagem da terra santa, e em uma carta preciosa em seu retorno, ele expôs à Europa cristã as misérias assustadoras dos cristãos na Palestina, e a necessidade, já entendida por Carlos Magno, de uma cruzada contra os bárbaros.

Em 1048, Santo Popón, abade de Stavelot, morria em paz, escapando dos perigos da grande peregrinação e voltando para entre os seus.

Em 1054, Liébert, o santo bispo de Cambrai, partira com três mil peregrinos de sua vasta diocese; quase todos pereceram, e ele mesmo voltou triste por não ter conseguido molhar com suas lágrimas a tumba de Jesus Cristo.

Lê-se em sua Vida que, retornando a Cambrai, ele percorreu com os pés nus, todas as noites, as igrejas e os cemitérios, orando por seus companheiros mortos na viagem santa.

(Autor: J. Collin de Plancy. “Légendes des Croisades depuis les premiers temps jusqu'a nos jours”, Henri Plon, Paris).

continua no próximo post



AS CRUZADASCASTELOS MEDIEVAISCATEDRAIS MEDIEVAISHERÓIS MEDIEVAISORAÇÕES E MILAGRES MEDIEVAISCONTOS E LENDAS DA ERA MEDIEVALA CIDADE MEDIEVALJOIAS E SIMBOLOS MEDIEVAIS

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado pelo comentário! Escreva sempre. Este blog se reserva o direito de moderação dos comentários de acordo com sua idoneidade e teor. Este blog não faz seus necessariamente os comentários e opiniões dos comentaristas. Não serão publicados comentários que contenham linguagem vulgar ou desrespeitosa.